0
Dia-a-dia Ensaios

jul/16 • um passeio pela rua rocha

26 de julho de 2016

e se a gente parasse pra pensar em quanta coisa deixa de fazer sem perceber realmente o motivo por trás? quantas razões são falsos motivos, histórias que a gente inventa, sem perceber, pra nos deixar parados no mesmo lugar. cercados de conforto do tipo mais angustiante que se cria por aí.

de repente eu me vi assim: por baixo de vários motivos que não se encaixavam entre si, fugindo do que eu realmente queria fazer, me dando todos os motivos do mundo pra não sair por aí clicando. tudo fumaça.

me via lamentando cada vez que algum conhecido postava uma foto de viagem no instagram. recusei oportunidades. fechei portas (ou deixei meio abertas, pra olhar dentro de vez em quando). cheguei a desativar o blog. coisa bagunçada em cima de coisa, porque quando a gente não vê pra onde tá indo, não consegue colocar energia no lugar onde quer ver florescer.

mas florescer também não é acidente. nem são acidentais os lugares por onde a gente passa. e planta, quando tem de nascer, nasce até em rachadura de calçada.

eu tenho muita muita muita sorte que tudo confabulou pra colocar pessoas no meu caminho que me mostraram mais do mundo nos último meses do que consegui ver até agora.

minha mente tinha estado cheia de ansiedade e pensamentos ruins desde não lembro quando. não lembrava de pensar direito desde meus 15 anos.

num estalo, tudo se abriu.

voltei pra agência nesses últimos meses e só posso ser grata por isso.

Um passeio pela Rua Rocha - Naira Mattia

uma história bonita sobre essas fotos:

na sexta-feira, uma amiga muito querida, uma dessas pessoas do bem que vieram de algum lugar do universo me explicar as coisas, me falou sobre a importância de estar sozinha e fazer as coisas sozinha e se amar.

eu que não sei nem comer sozinha sem me sentir mal fiquei surpresa.

sábado passei de carro por essa rua tão linda, que tanto me tocava e sabe-se lá por que, nunca parei pra fotografar.

domingo, apareceu um convite pra andar por aí com um amigo. por algum motivo, ele teve de dar meia-volta antes de chegarmos. senti que devia seguir em frente, me amar sem me ver de fora.

foram horas em todos os ângulos.

o resultado é de felicidade.

estou empacotando as coisas e indo passar um tempo suspensa.

o blog tá de volta.


você que mandou mensagem agradecendo pelo blog há algumas semanas, obrigada. sua mensagem me lembrou dos motivos pelos quais o projeto surgiu: compartilhar, conectar, inspirar. então você é um dos maiores motivos de eu ter voltado pra cá.

  • yaaaay, ela voltou o/

    e nossa, isso é muito verdade. a gente se cobre nesse falso conforto e fica vivendo essa meia satisfação cheia de sofrências sem nem saber o motivo. tão foda né? e tão bom quando tem gente do bem pra dar uns sacodes na gente, dar aquele empurrão, abraçar aperta e dizer: VAI QUE TU CONSEGUE! ♥

    anyway, feliz por teres voltado ♥
    muita luz nas tuas caminhadas 🙂

  • Maria Eduarda Buarque

    Minha Nairinha, obrigada por nos inspirar de volta.
    Que seja eterno enquanto dure. E que rache, arrombe, floresça. Vai ter sempre alguém passando desavisado pra te ver brotar.
    <3

  • K.

    eita que tudo que você falou disse muito sobre minha vida nos últimos meses: fechando portas, cheia de nuvens, inseguranças, incertezas (também dei uma abandonada boa no blog, haha), enfim… que bom que tá tudo melhorando por aí e que voltou (pq amo seus posts <3 além das suas fotos, que né? <3)